A espiritualidade frequentemente sai pela janela no instante em que entramos em uma discussão, tropeçamos em uma crise ou caímos em depressão.



A escuridão toma conta tão rapidamente que esquecemos de tudo que aprendemos.



É por este motivo que é bom estudar diariamente, ler uma passagem da torah ou algum texto inspirador, decorar uma citação ou assistir uns minutos de uma palestra para nos lembrarmos do que é realmente importante.



Dê a sua mente algo para mastigar, para que ela não mastigue a si mesma.



Yehuda Berg


Tzvi Freeman

001 - Existem milagres explícitos que violam as leis da natureza, como se elas fossem insignificantes — milagres que qualquer tolo pode perceber. 
Por outro lado, há milagres que exigem alguma reflexão para que se note que, de fato, algo fora do comum ocorreu aqui. 
E existem ainda milagres tão grandiosos, tão sensacionais, que ninguém além do Próprio D'us tem conhecimento deles. 
Estes são milagres que ocorrem continuamente, a cada momento.

002 - Há dois tipos de milagre: os acima da natureza e os inseridos nela. 
A transformação da água do Nilo em sangue estava acima da natureza. 
A vitória dos Macabeus sobre o exército grego estava inserida na natureza — eles tiveram de lutar para vencer. 
Ambos os tipos de milagre são necessários. 
Se só víssemos milagres acima da natureza, saberíamos que D'us é capaz de fazer o que quiser — mas poderíamos pensar que, para tanto, Ele tem de quebrar as regras.
Conheceríamos um D'us que está além da natureza, mas não dentro dela.
Se só víssemos milagres que estão inseridos na natureza, saberíamos que D'us é o Senhor de tudo que acontece na natureza.
Mas poderíamos pensar que Ele Se limita a ela.
Agora sabemos que D'us está ao mesmo tempo acima e dentro.
Na verdade, não há nada além d'Ele. 

003 - D'us não pertence a um domínio superior que você não possa alcançar. 
Tampouco é feito de uma substância etérea que você não possa tocar. 
D'us é "Aquele Que É" — Ele está aqui agora, em toda parte, em tudo e em todas as esferas — inclusive na esfera na qual você vive. 
Você não O percebe por uma única razão: É Seu desejo que você O procure. 

004 - Se você enxerga o que precisa ser consertado e como consertá-lo, então você achou um pedaço do mundo que D'us deixou para você completar. 
Mas se você só vê as coisas que estão erradas e como elas são feias, então é você mesmo que necessita de conserto.

005 - Quando você foge da responsabilidade que tem num lugar, para estar em outro, duas coisas ficam imperfeitas: O local onde você é necessário, e o local onde você se encontra, mas não deveria. 

006 - Todo momento possui duas faces: É um momento definido pelo passado do qual provém e pelo futuro a que conduz. 
E é também um momento em si mesmo, com seu próprio sentido, propósito e vida. Não mate um momento.

007 - Purifique o tempo. 
Diariamente, encontre um ato de bondade e beleza que pertença exclusivamente a esse dia. 

008 - Em cada viagem de sua vida você tem de estar onde está. 
Você pode estar só de passagem, a caminho de um outro lugar aparentemente mais importante — contudo, há um propósito no local em que você se encontra neste momento. 

009 - Um ensinamento do Baal Shem Tov: 
Não é só o movimento de uma folha ao cair de uma árvore, o tremular de uma haste de grama ao vento — cada detalhe da existência que é dirigido, vivificado e recriado a todo momento lá do alto — mas ainda mais do que isso: Toda nuance é um componente essencial de um esquema grandioso e Divino, a gestalt de todas essas minúcias vitais. 
Medite sobre este assunto.
E então pense: Quanto mais se aplicará isso aos detalhes de minha vida diária! 

010 - Combater o mal é uma atividade muito nobre quando tem de ser feita.
Mas não é esta nossa missão na vida.
Nossa tarefa consiste em trazer mais luz.

011 - Quando você chega a um lugar que parece estar fora do domínio de D'us e ser grosseiro demais para que a luz penetre, e você sente vontade de fugir... 
Saiba que não existe lugar fora de D'us, e alegre-se com a missão de revelá-Lo ali. 

012 - D'us não lhe deu luz para que você a ostente no meio do dia. 
Quando você recebe luz, é para realizar algo, fazer alguma coisa nova e difícil. 
Vá pegar sua luz e transforme a escuridão, fazendo-a brilhar também! 

013 - Todos os problemas do mundo advêm da contenção de luz. 
Nossa tarefa, portanto, é corrigir isto. 
Onde quer que encontremos luz, devemos arrancar seus invólucros e expô-la completamente, deixando-a brilhar até as extremidades mais escuras da terra. Principalmente a luz que você mesmo contém. 

014 - No início havia uma luz infinita que preenchia tudo 
E não deixava espaço para a existência de um mundo. 
Então essa luz foi contida, para que o mundo pudesse ser criado no vazio resultante.
Em seguida, o mundo foi criado, com o propósito de retornar a esse estado original de luz — e no entanto continuar sendo um mundo. 

015 - A missão de toda a Criação é determinada quase de imediato: E D'us disse: "Haja Luz". 
O propósito da Criação é que o mundo inteiro — até mesmo a escuridão — se torne luz. 

016 - Durante meus primeiros anos de estudo em Lubavitch, conheci colegas que também eram músicos. 
Começamos a tocar juntos e acabamos formando o primeiro conjunto de rock pesado chassídico, que denominamos "Baal Shem Tov Band". 
A fórmula era simples: Tomávamos melodias chassídicas tradicionais e as tocávamos com ritmo e harmonias de rock, em amplitudes de grande distorção. Nós nos divertíamos muito. 
Um repórter do Village Voice até escreveu que éramos "elétricos".
Por fim, aceitamos no conjunto um baterista e vocalista marroquino que se celebrizara numa das maiores bandas da França.
Ele nos contou que, da primeira vez que viera falar com o Rebe, estava cheio de miçangas, lantejoulas, e tinha o cabelo até os joelhos.
Nesta ocasião, dissera ao Rebe que queria abandonar a música e retornar à vida religiosa de sua infância.
O Rebe respondeu-lhe: "Tudo tem um propósito. Em todas as coisas que você adquiriu pelo caminho, se elas não forem más, você deve encontrar o Divino. Ao invés de deixar a música, você deve usá-la para bons fins, e desta maneira sublimará o mundo do rock." 

017 - Há três maneiras de unificar dois opostos: 
A primeira consiste em introduzir um poder que transcenda os dois, e ao qual ambos submetam completamente todo o seu ser. 
Então eles se harmonizam, porque ambos se colocam sob a influência da mesma força. 
Mas o ser deles não está em paz — o ser simplesmente é ignorado. 
A segunda maneira é encontrar um terreno intermediário onde os dois seres se encontrem.
Os dois ficam em paz quando se encontram nesse campo intermediário — mas seus territórios restantes permanecem separados e distantes.
A terceira maneira é revelar que a essência de todos os aspectos dos dois seres é a mesma.
Este é o caminho da Torá.
A Torá harmoniza o espiritual com o material, revelando que a verdadeira substância de todas as coisas é a Unicidade de seu Criador. 

018 - No início havia Um. 
Não havia paz, porque não existia nada com que se pudesse fazer as pazes. 
Havia apenas Um. 
Depois, surgiu o Dois. 
Havia então Pluralidade. 
Daí por diante, uma cacofonia infinita de conflitos se estendeu em todas as direções, eternamente. 
E no terceiro dia D'us criou a paz. 
Paz não é homogeneidade. 
Paz não significa que todos pensem da mesma maneira. 
Há paz quando existe uma pluralidade que encontra uma Unicidade superior. 

019 - Rabi Schneur Zalman de Liadi, o primeiro rebe da dinastia Lubavitch, conduzia os serviços de Yom Kipur, o dia mais sagrado do ano. 
Encontrava-se em pé, envolto em seu xale de oração, inteiramente absorto na união da alma com sua fonte. 
Cada palavra da reza que pronunciava era como fogo. 
Sua melodia e fervor levavam a comunidade inteira à viagem mais elevada e profunda do espírito. 
E então ele parou.
Virou-se, tirou o xale de oração e saiu da sinagoga.
Com a espantada congregação a correr atrás dele, caminhou velozmente até as cercanias da cidade e chegou a uma casa pequena e escura, de onde se ouvia o choro de um recém-nascido.
O rabino entrou na casa, cortou um pouco de lenha, acendeu o fogão, cozinhou uma sopa e cuidou da mãe e do bebê, que jaziam desamparados na cama.
Em seguida, retomou à sinagoga e ao êxtase de suas preces.

(Note que o rabino tirou seu xale de oração. Para ajudar alguém, você tem de sair de seu mundo de rezas e meditação e entrar no mundo da outra pessoa. Você não pode ajudá-la de cima, só de dentro.) 

020 - Toda pessoa é um microcosmo da Criação inteira. 
Quando alguém põe sua alma Divina em harmonia com a vida material, ele harmoniza a totalidade do céu e da terra. 

021 - Quando entrei na Yeshivá, entreguei-me inteiramente à experiência. 
Logo percebi que perdera o equilíbrio. 
Foi nessa época que ouvi as seguintes palavras do Rebe, e elas me orientaram: 
Diz o Talmud: 
"Quatro entraram no pomar (os ensinamentos místicos). Um morreu, um enlouqueceu, e um se tornou herege. Rabi Akiva entrou em paz e saiu em paz." 
Por que Rabi Akiva foi capaz de sair em paz? 
Porque entrou em paz: harmonizara seu mundo físico com o espiritual, seu corpo com sua alma, e via propósito em ambos. 
Assim, quando entrou no espiritual, ele tinha em mente sua volta ao físico. 
E quando reingressou no físico, ele trouxe consigo algo do espiritual. 

022 - D'us não é apenas grande — Ele é infinito. 
Se Ele fosse só grande, então as coisas que são pequenas estariam mais longe d'Ele, e as coisas que são grandes estariam mais perto. 
Porém, para o Infinito, grande e pequeno são termos irrelevantes. 
Ele está em toda parte e pode ser encontrado onde quer que deseje ser encontrado.

023 - A meta suprema da criação de todos os mundos reside no domínio físico mais baixo e mundano. 
Para elevar uma estrutura, você não pode puxar de cima — deve erguê-la de baixo. 

024 - Quanto mais alto estiver um objeto, mais baixo ele cairá. 
Da mesma maneira, as revelações mais elevadas podem ser encontradas nos lugares mais baixos. 
Portanto, se você estiver num local aparentemente destituído de espiritualidade — não se desespere. 
Quanto mais baixo você estiver, maior a altura que poderá alcançar. 

025 - Há pessoas que praticam o bem, mas com pessimismo — porque para elas o mundo é um lugar inerentemente mau. 
Fazem coisas boas, mas sem luz e vitalidade. 
Quem sabe quanto tempo isso pode durar? 
Devemos saber que este mundo não é uma selva escura e sinistra, e sim um jardim.
E não um jardim qualquer, mas o próprio jardim de delícias de D'us, cheio de beleza, frutos e fragrâncias maravilhosas, um lugar onde D'us deseja estar com toda a Sua essência. 
Devemos apenas romper as conchas, os invólucros e as cascas espinhosas para descobrir o fruto que há dentro.

026 - Mandaram D'us para o exílio. 
Decretaram que Ele é santo demais, transcendente demais para fazer parte de nosso mundo. 
Determinaram que Ele não cabe no cotidiano, no corre-corre diário. 
E assim O expulsaram de Seu jardim e O mandaram ao domínio da reza e da meditação, aos santuários e lugares de reclusão dos eremitas. 
Condenaram o Criador ao exílio e trancaram Sua criação numa prisão fria e escura. E Ele suplica: "Deixem-Me retornar ao Meu jardim, ao local no qual Eu Me deleitava quando tudo começou." 

027 - O Homem vê uma árvore, e a árvore diz: 
"Eu estou aqui, estive aqui, e não sou nada mais que uma coisa que está aqui." 
O Homem reflete e responde: 
"Não! Eu lhe dou um nome! Você é 'árvore'! Você tem beleza e tem uma alma. Você aponta para o alto e diz: 'Há algo mais elevado, há Aquele que me dá vida e me dá meu próprio ser." 
Assim prossegue o Homem, até pôr de joelhos toda a criação. 
Só o Homem pode realizar o que os anjos não podem. 
Só o Homem é capaz de descobrir o espiritual dentro do material. 

028 - Os animais não fitam as estrelas, e os anjos estão confinados ao reino do espírito, mas o Homem é a ponte de D'us entre o céu e a terra. 
Nossos corpos são feitos de pó, e nossas almas, da essência de D'us. 
Só nós podemos olhar um mundo físico e ver vida espiritual e beleza. 
Nós, que estamos além do céu e da terra, da forma e da matéria, do espírito e do corpo — só nós podemos fundir os dois. 

029 - Quem estudou a Cabalá sabe que existem infinitos mundos além do nosso e além dos mundos dos anjos, todos repletos de luz, beleza e unicidade divinas. 
Mas sabe também que tudo isto só ganhou existência por um único propósito: D'us deseja sentir-se em casa em seu mundo terreno